8 de junho de 2008

DIRETOOOOOO

Tava há dias revirando a maravilhosa
Feira da Messejana atrás de Cassiano Costa,
quando me deparei com essa píula de pérolas
dos idos em que todos os táxis eram amarelos
(com faixa xadrex nas laterais) e os cabarés nem
sonhavam em ser uma imensa galeria ar-condicionnada
com muitas vitrines, escadas rolantes e flashes aos turbilhões.
.................................
Jôgo do Amor foi pau na moleira, ou melhor, no fígado
de muito neguinho idos - 1984, 85...
Gostava de ficar olhando essa capa (linda!) feito moleque abestado,
enquanto na sala da minha a avó a cena era a mesma,
só que ao vivo, com meus tios e alguns papudim pingados da rua.

A catinga de cigarro com cachaça se misturava com faixas tipo
Forrófofoca (Oswaldo Oliveira) e Sou nacioná (Jacinto Silva).
Ícones obrigatórios da história do forró-brega nacional.

Como eu me lascava de Pirulito do Zorro comprado com o troco
pelas atarefadas idas e vindas da mercearia, esse foi o único
gosto que senti ao re-ouvir tal maravilhas da soberba cultura trashe.
Sinistro...
........................................................................

E Papai voltou a ter tanto orgulho de mim...

Haja cuscuz pra gente misturar com panelada, cabeça!

Um comentário:

Mariana Araújo disse...

viuje, peguei isso aí non! tinha nem nascido! rsrsrsrs
mas pirulito zorro, omi, aí já comi com força!! hahahahaa
e naquele aniversário nem teve lancheirinha, foi fraco o negócio! rsrsrs
ei caboré! atualizei o blog, mais rascunho da martinha, rsrsrs
ela agora tá de namorico, mas se iluda non, esse vai sofrer muito tb na mão dela rsrsrs