30 de novembro de 2009

Rima forte
História em quadrinhos que estou fazendo
para uma revista ainda em desenvolvimento.
Coisa grande, muito fina e cheia de surpresas.
.
O enredo conta o período desde quando
ouvi RAP pela 1ª vez, até os dias atuais,
mostrando ao londo de toda a evolução do gênero,
algumas baixas (que são muitas), muitas dicas,
muitas curiosidades e milhões de detalhes.
.
Segue as quatro primeiras páginas de uma sequencia de 10.



























17 comentários:

silas disse...

Está ficando massa, e ficaria melhor se vocÊ desenhasse as capas ou pelo menos os rappers.

Gabriel Renner disse...

puta merda!! coisa finíssima são essas páginas aí! encheram meus olhos, antes mesmo de começar a ler...

Metal Mind disse...

Fala,Guabiras!Ótima iniciativa, arte de primeira.
Não é bem meu estilo de música, mas o seu relato me lembrou meu primeiro contato com a música 'adulta', também em vinil e K7.Bem diferente da molecada de hoje, com a moleza que é o mp3.
Abraço e ótima semana.

Lorena Lílian! disse...

eu comecei a ouvir Beastie Boys por influencia sua hein!
xD

Dilly disse...

Eu adoro o seu modo de desenhar.

Thadeu Dias disse...

cara, muito bacana o mote desse quadrinho! me lembrou a época que meu irmão chegava com cds novos e eu acabava ouvindo junto, sendo muito influenciado pelo gosto dele. Daí meu gosto por bandas como Raimundos, Planet Hemp e Cypress Hill(uma das minhas preferidas de rap).

muita nostalgia ler esse teu quadrinho...
quero ver completo! abraço

Aprigio Santos disse...

O artista até que é bom, escrevi bom, mas falta muito para ser considerado profissional, recomendo que ele procure a Oficina de Quadrinhos da UFC. Um excelente curso para quem quer aprender a dominar a nona arte em nossa cidade. Sobre a HQ em questão. Ela é bem desenhada, sem dúvidas, o seu problema é a temática, que não tem nada a acrescentar a nossa cultura . A temática nordestina e cearense é vasta e bonita. Um poema de Patativa, um cordel, um forró arrochado, uma biografia de um retirante, contribuiriam muito mais para as futuras gerações que "louvações" sobre artistas gringos de rap, funk, rock, punk, pop, cuja única finalidade é roubar o pão do artista da terra e drogar e prostituir nossos jovens. Mas o artista é também é jovem, e o tempo lhe ensinará muitas coisas.

Elicarlo disse...

Tem razão Aprigio, mas nem por isso vamo ficar bitolado, olhando só pro próprio umbigo sem curtir o q rola de legal pelo mundo afora.

A cultura cearense é riquíssima como vc bem colocou, mas se vc olhar no arquivo das tirinhas desse site, vc verá q poucos artistas valorizam os costumes e os valores da nossa terra quanto o Guabiras.

Sua liçãozinha de moral é válida, mas tá no lugar errado

Anônimo disse...

A oficina de quadrinhos da UFC
é exemplo de quer, meu camarada?
Vocês só chupam o que os americanos fazem há 500 anos. Heróis, heróis e heróis.
cenários com latas de lixo estilo
"manda Chuva" e arranhas-céu que nem existem em Fortaleza.

Não existe e nem existirá um cartunista mais nordestino que o Guabiras! Eclético, diversificado e ácido. Repara nos históricos, repara na revista que ele está lançando sábado agora. Quer coisa mais cearense que aquilo?????

Ah,
se ter quase 15 anos
de Jornal O POVO ainda é ser novo,
minha avó tem 15 anos!!!!!

Comentário mais idiota.

Anônimo disse...

Caralho!
A oficina de quadrinhos da UFC
ainda existe?????????????????????????????????????????????????????????Achei que tivesse morrido junto com
aquela porcaria de PÍUM que eles faziam....

Anônimo disse...

http://www.editoraquadrix.com.br/

SILVIO CÉSAR disse...

Aprigio Santos,
Seu comentário é típico de quem só sabe fazer quadrinho, desenho, música e o escambal sobre as mesmas coisas que outros já fazem igual há muito tempo. Falar só de nordestino como você descreveu é bom somente para quem precisa arrancar dinheiro público para patrocinar filme. Guabiras fála de cearense sim, meu chapa. Fala de um cearense moderno, bem século XXI. E não daquele cearense de propaganda de governo que você insiste em elogiar, mas que não tem nada a ver com a nossa realidade...

Anônimo disse...

O Guabiras é muito
mais importante do que
toda a história da Oficina de Quadrinhos das UFC

Marcela disse...

Melhor ainda:
mais fácil o Guabiras virá Testemunha de Jeová
do que
fazer curso de desenho na
Oficina da UFC.
Ah ah ah ah ah
O cara palestrou lá!
Vide:
Cabeça de Papel = 2003

SILVIO CÉSAR disse...

Opa, calma aí com os comentários meninos incautos.
A Oficina de Quadrinhos da UFC tem seu valor na história pela formação de dezenas de ilustradores que estão por aí, fazendo bonito aqui e lá fora.
Julgar toda a Oficina pelo infeliz comentário de uma pessoa só é ser imprudente.
Mais respeito, pelo menos isso eu peço, pelo pouco da história das histórias em quadrinhos cearenses...

Mungu disse...

Silvio Cesar, por obsequio, o senhor queima?!

Anônimo disse...

A Oficina de Quadrinhos
dá muito é o caneco!

Mungu