23 de agosto de 2009

Mudança de Hábito
vvvvDizem que o ser humano nunca estará habituado
a morrer em um só lugar.
vvvvPor essa razão, comunidades inteiras do oriente
- com o próposito da busca por novos recursos de
sobrevivência - atravessaram há milênios atrás o trecho
fininho que liga a Ásia com o Alasca pra dar início ao que
se entende hoje como a primeira colonização americana.
vvvvDaí pra frente, caminhar foi preciso. Se mudar, aliás!
Os cangaceiros - heróis-bandidos do sertão nordestino
no anos 30 - eram mestres na arte da habitação.
Moraram em 7 estados brasileiros e, se não tivessem
sidos impedidos, com certeza teriam alcançado Disney
ou quem sabe Patagônia.
vvvvHabitação e se habituar são palavras bem parecidas.
vvvvAtualmente, o meu quintal dá de cara pra uma escola.
Escola Infantil, pensem! Já fui apavarosamente acordado
ao som do Hino Nacional, da Santa Maria mãe de deus
rogai tarará tarará e mais ainda pelo microfone agudo,
caralho! Que mais parece a pior fiação de rádio pirata
que existe:
vvvv— Abelardo Clóvis! Não corre, senão você sua.
vvvv— Elisabeth Andrade, não dê língua para a coleguinha.
vvvvPivetes gritam, eu respondo com um rosnado de
pit-bull com gripe suína. Euforia e indignação em uma
mesma manhã é pra poucos. Do mesmo jeito que eu não
prestaria pra ter um cativeiro de jacarés.

vvvvAcordar cedo, então, é que não é pra qualquer um!
vvvvTento me acostumar e não consigo. Durmo no requinte
climático da nova vida-rotina nova (apesar dos mosquitos
teimarem em impedir) e acordo achando que nem sequer
tirei os pés do meu antigo bairro. Meu ex-bairrinho querido.
Meu apegado ex-bairrinho.
vvvvEstou longe agora e a experiência é unânime. Outros
ventos, outra linha de ônibus, outra calçada pra se sentar
em plena meia-noite com o prato de janta. Devorando-a
com a mesma pressa que Da Vinci teve pra pintar a
Capela Sistina.
vvvvBrujeria, nem pensar. Ainda. Por enquanto,
deixo todos acharem que sou um pacato novato que
lava as bermudas ouvindo Lou Reed. Natal, Ano Novo,
o que será será...
vvvvPor outro lado, é legal ficar chapa do povo de uma
padaria nova, saber que o cara do X-Bar decorou que
o seu sarrabulho é o do caldo grosso e sacar dia após dia
que a sua vizinha da frente é cheia de respaldos com
a Ronda do Quarteirão.

vvvvMudar sempre foi uma forma de amadurecer.
vvvvE apesar de eu me sentir um leopardo retirado das
savanas africanas pra sobreviver na Sibéria, acreditem,
é a quinta vez que faço isso na minha vidinha. Pouco.
Abelhas perderam as contas. Guaxinins. Raposas. Camaleões.
Seres vítimas da praga da urbanização imobiliária, idem!
É a vida, né!? Não dizem que nela pra tudo existe um preço?
vvvv.
vvvvQual seria o seu, afinal?
vvvv.
vvvvO meu - nessa novíssima temporada - com certeza tem
sido um relógio.
vvvvApesar de está tudo bem, tudo legal, se eu não arrumar um
urgentemente, putz! Vou continuar perdendo a bendita hora
em que a minha atual paranóia deságua pelo portão
vvvv- Uma estudantezinha Brody Dalle com personagem da Pixar -,
vindo da sua bendita aula.

vvvvDessa vez, prometo não vacilar.
..........................................................................................
Ao som de Poluttion - Limp Bizkit

5 comentários:

Patrícia disse...

E eu estava sonhando com a minha mudança, em juntar os meus cacarecos e me mandar, morar só... até que os últimos acontecimentos acabaram com meus planos... mas eu n deixo de pensar nos poucos móveis, no Brujeria assombrando os vizinhos, na carne de lata com arroz, nessas coisas que ainda hei de viver.

Rebeca Lemos disse...

Preciso dizer o quanto me identifiquei com esse post?? Acho que não neh?! Meu nome do meio é mudança...hehehe.. E como eu me sinto "em casa" tendo essa coisa inconstante da mudança em minha vida. Acho que nem posso mais chamar de inconstante pra mim. É coisa de rotina mesmo. EU MUDO SEMPRE! Ow menininha confusa! =P
Adorei o post!

Mariana Araújo disse...

Porra Caboré! Lá vem tu mexer com quem tá quieto... eu nem lembrava mais qdo vai-e-vem desgramado que passo, ficando uns aninhos aqui, outros acolá, e tome-lhe coisa importante se perdendo no meio do caminho... Cadê minha pasta de desenhos antigões? NAda de antes de 2003. Nem sonhe então em encontrar qqr coleção que tenha feito... no máximo metade das revistas... e daqui a uns dias me reio de novo... tou adulta, e os pais notaram =S

Jessika Thaís disse...

Mudanças físicas (casas) tive poucas, já psicológicas...

Sabe esse lance q c me falou q não sabe onde tão as coisas? As pessoas
chegam pra mim procurando coisas antigas e não acham... sei mais ou menos o q é... mas deve ser bom fazer novos vizinhos e fazer com eles fikem doidos pra q vc se mude em breve!!
kkkkkkkkkkkkk
=*

LUCIANA PIMENTA disse...

Adorei Guaba!!! Tu se garente mesmo nos textos, nos desenhos, na rapidez de pensamento, no diabo... tudo tu resolve! Que coisa! Eu tb já me mudei um bocado, desde quanod sai da casa dos meus pais a morar em uma cidade bem diferente, sozinha, tendo que começar tudo do zero. Deu certo para mim, está dando. Vai dar certo pra vc tb. Beijos!